Como Atuamos

Como Atuamos

Pesquisa-ação: Linha focada em projetos de buscam a sustentabilidade de ações de desenvolvimento regional em áreas de alta transformação ambiental. Nessa linha,em 2009,foram concluídos dois projetos financiados pela Petrobras, realizados através do Projeto Piatam (Inteligência Socioambiental Estratégica daIndústria do Petróleo na Amazônia), criado pela Universidade Federal do Amazonas. São eles: 1) Projeto Comunidade PaticipAtiva Vila da Felicidade (pesquisa-ação desenvolvida na Vila da Felicidade, próximo à REMAM em Manaus, com o objetivo de investigar e intervir, compartilhando/trocando saberes com comunitários locais); 2) Projeto (Re)Conhecendo a Vida na Comunidade – (Re)Encontrando Alternativas de Bem Estar (pesquisa-ação junto a nove comunidades ribeirinhas, ao longo das margens do Rio Solimões, trecho Manaus – Coari, para identificar de forma participativa,junto as comunidades acompanhadas através do Piatam, os impactos psico-sócio-culturais da introdução de projetos de desenvolvimento regional, e construir estratégias de enfrentamento dos riscos e de gestão partilhada dessas inovações).

Eventos técnico-científicos: há três anos, realizamos o evento anual “Ciclo de Palestras do ISAT desde2009, com oito palestras anuais sobre temas de psiquiatria e saúde mental, promovendo a discussão e o crescimento profissional da classe e arrecadando fundos para a instituição.

Ações institucionais estratégicas: Tem como objetivo a ampliação dos mecanismos de divulgação e auto-sustentação das atividades administrativo-financeiras da instituição, através de venda de material institucional como cartões de natal, camisetas, e outros produtos, em fase de desenvolvimento.

Produção editorial: criação de materiais didáticos, de conscientização, e para comercialização. O projeto Cartões de Natal do ISAT, produzidos com ilustrações a partir dos resultados das oficinas utilizando a TS Encontro, com cinco edições anuais, tem leal apoio financeiro de empresários de atuação local desde sua primeira edição. Editou o projeto “Cartilha sobre álcool e drogas elaborada por pessoas Sateré-Mawé”, adotada como material didático na formação dos professores indígenas que atuam como multiplicadores do trabalho de prevenção a álcool e drogas desenvolvido na Região do Marau, em Maués. Outro projeto, foi a edição da revista em quadrinhos “Dizem que Sou Louco”, com financiamento da Prefeitura de Manaus para a edição de 10.000 exemplares, em 2006, que desperta o interesse de crianças, adolescentes e adultos para um personagem que enlouquece e experimenta uma série de humilhações e agressões, e ao ser internado em um manicômio, vivencia o isolamento e abandono que a doença mental ocasiona, visto que o medo e preconceito que desperta nas pessoas dificulta a aproximação das mesmas.

Pesquisa e desenvolvimento de metodologias pedagógico-terapêuticas: criação de tecnologias que podem ser reaplicadas em benefício de diversos grupos, como por exemplo a Tecnologia Social Encontro e a Metodologia de ensino específico denominada B A BA da Vida, para pessoas em sofrimento psíquico, já aplicada durante três anos em sala de aula no CPER. A TS Encontro, desenvolvida a partir do trabalho no CPER com pacientes abandonados em manicômio, e sua reaplicação em grupos de pacientes inseridos na comunidade, teve como beneficiários crianças e adolescentes na cidade de Manaus, se expandindo também para projeto em comunidades indígenas da área rural do município de Maués,AM.

Eventos de divulgação e conscientização: o evento anual “Loucos por Feijão”, feijoada beneficente promovida pela instituição em 2008 e 2009, e o “Loucos por Massa” em 2010 e 2011, realizados com apoio financeiro do Grupo Carrefour, Grupo Simões (holding empresarial local) e Grupo Magistral nas três primeiras edições; continua sendo prestigiado pelo Grupo Magistral e angariando novos patrocinadores como Mercantil Nova Era, Waku-Sese,desde sua primeira edição,Grupo Magistral (fabricante de refrigerantes local) arrecada fundos para instituição e promove as açõesrealizadas até aquele período, reunindo a sociedade local. a divulgação dos trabalhos institucionais.

Formação profissional: O ISAT ministra capacitações em saúde mental, tal como a aplicada em 2009 para a equipe multiprofissional do primeiro Centro de Atenção Psicossocial (unidade assistencial para portadores de transtornos mentais severos), implantado pela Secretaria Municipal de Saúde, Manaus, AM.

O que é o Espaço ArtEncontro?

O Espaço ArtEncontro é um espaço inserido na comunidade do Conjunto D. Pedro I, com atividades pedagógico- terapêuticas para portadores de transtornos mentais severos encaminhados por instituições do território, internos residentes no Centro Psiquiátrico Eduardo Ribeiro , moradores de rua e moradores do Distrito de Saúde Oeste.

O que fazemos no Espaço ArtEncontro?

Desenvolvemos o Programa Espaço ArtEncontro, através dos projetos:

•Preparar pela Vida

Na convivência construída a partir do encontro/vínculo se resgata a individualidade e a autonomia investindo na potencialidade de cada indivíduo. (AIVD).

Trabalhamos o dia-a-dia em uma casa, através das atividades da vida diária, ajudando aos portadores de transtornos mentais que perderam os vínculos familiares, no processo de adaptação à convivência em “um lar”.

•Reaproveitando com Arte

Momento de lazer e criatividade! Através do trabalho artístico e/ou artesanal em oficinas realizadas com a participação da comunidade, a inclusão social é favorecida com a produção artística e o estímulo à atividades que possibilitem a auto-sustentação.

•Educação e Saúde

Trabalha a promoção da saúde mental, em espaços como escolas públicas que favoreçam as trocas de informações e aprendizados com a comunidade, com abordagem das temáticas emergentes, colaborando para a qualidade de vida dos participantes e familiares e mudança de paradigma em relação à saúde mental.

Utiliza estratégias como palestras, rodas de conversa, dinâmicas, cine-debates e outros.

•Atendimento em Saúde Mental

Possibilita a avaliação, atendimento e acompanhamento de pessoas portadoras de transtornos mentais severos, bem como de seus familiares, dentro do enfoque da Tecnologia Social Encontro, buscando o fortalecimento dos vínculos familiares e sociais, como estratégia do tratamento e do processo de reinserção social.

No atendimento à comunidade utilizamos a Terapia Comunitária, Oficinas de Psicomoticidade, da Memória, grupos operativos, orientação e acompanhamento familiar por psiquiatra e psicólogo.

 

2 Replies to “Como Atuamos”

  1. Bom dia.
    Me chamo Paulo Henrique Rocha, sou
    fisioterapeuta e trabalho com crianças portadoras
    de necessidades especiais na Sociedade Pestalozzi do AM.
    Gostaria de saber se a instituição contrata profissionais
    fisioterapeutas no momento.

    Grato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *